Ciência da Vida – Que é Eubiose?

Que é Eubiose?

Eubiose é a Ciência da Vida. E como tal, é aquela que ensina os meios de se viver em harmonia com as leis da Natureza, e consequentemente, com as leis universais, das quais as primeiras se derivam.

Por Lorenzo Paolo Domiciani(*)

Para definir o que é Eubiose mister se faz – em primeiro lugar – preparar o espírito de nosso leitor; através da teoria, a fim de que o mesmo, acompanhando capítulo por capítulo de semelhante trabalho, possa, finalmente alcançar a parte prática. Do mesmo modo que o viajante, irá ele marchando de etapa em etapa, a descobrir novas regiões, novas pessoas, novos amigos, coisas, enfim, que lhe não eram conhecidas. E, assim, ao chegar à meta final de semelhante jornada estará de posse de um cabedal maior do que anteriormente possuía. Mas tudo isso à custa de “seus próprios esforços”, ou de acordo com a sentença cristã do “Fazei por ti, que Eu te ajudarei”. Nesse caso, o autor do trabalho não será mais do que um guia desconhecido, que, de longe aponta o caminho a ser percorrido, mas contente e feliz por lhe terem ajudado, também, “a dar de graça o que de graça recebeu” no decorrer das suas várias existências…

E é assim que, neste primeiro capítulo, o leitor conhecerá, em síntese, o que é Eubiose. E de que maneira é Ela aplicada de acordo com a Evolução espiritual da Humanidade. Eubiose é a Ciência da Vida. E como tal, é aquela que ensina os meios de se viver em harmonia com as leis da Natureza, e consequentemente, com as leis universais, das quais as primeiras se derivam. Pelo que se vê, nenhuma diferença existe entre Eubiose e Teosofia, porque esta, como Ciência ou Sabedoria Divina, se propõe a mesma coisa, como “Tronco donde se originam as Ciências, religiões, filosofias, línguas e tudo mais quanto já existe e há de existir no mundo”. Desse modo, não apenas os “Adeptos da Boa Lei”, mas também, todos os Iluminados que a este mundo vieram, pautaram a sua vida eubiótica ou teosoficamente, ensinando aos demais a que agissem do mesmo modo. E isto, de acordo com a evolução natural da época dos seus vários aparecimentos.

Desse modo, a Sociedade Teosófica Brasileira [atual Sociedade Brasileira de Eubiose] não podia deixar de se servir de semelhante Ciência, como ativa participante do movimento cultural-espiritualista. E isto, já se vê, em amplitude muito maior do que tudo e todos que A antecederam, pois que, a evolução caminha sempre para diante. E muito mais, em pleno interregno de um ciclo para outro, como prova o seu próprio lema: spes messis in semine, isto é, “a esperança da colheita reside na semente”.

Tais momentos ou ciclos foram apontados, por exemplo, pelo Bem-aventurado Krishna (que viveu 3,5 mil anos antes de Cristo), quando promete ao seu discípulo Arjuna (vide Bhagavad-Gîtâ) :

Todas as vezes, ó filho de Bharata! que Dharma (a lei justa) declina (como está acontecendo agora) e Adharma (o contrário) se levanta, Eu me manifesto para salvação dos bons e destruição dos maus. Para restabelecimento da Lei Eu nasço em cada Yuga (idade ou ciclo).

Jesus, também prometeu a sua volta (pois que a Essência é sempre a mesma, “como avatara da própria Divindade”), do seguinte modo:

Quando ouvirdes rumores de guerra, não vos assusteis, porque é preciso que tudo isso aconteça. Levantar-se-á nação contra nação, reino contra reino. E haverá fome, peste e terremotos em vários lugares; mas todas essas coisas são apenas o começo das dores. E depois da aflição daqueles dias, aparecerá no céu, o sinal do Filho do Homem.

As tradições, tanto do Oriente como do Ocidente, estão repletas de semelhantes “promessas”. Os ciclos, as idades se passaram, e jamais elas deixaram de ser cumpridas. Estamos na véspera da “Manifestação do avatara sob o signo de Aquário”. O de Jesus foi o de Piscis. E isto se pode constatar com a passagem da “mulher adúltera”, quando lhe foi apresentada, traçar Ele no solo, um Peixe. E não a errônea interpretação de que “era Ele pescador”, a menos que o fosse “de almas”. Gotama o foi, por sua vez, de gado.

Nesse caso, “pastor”, ou seja outro termo que se aplica aos “condutores de almas”. O próprio termo Go ou Gau-Tama, significa: “vaqueiro, condutor de gado”, etc. Todos os Manus, por sua vez, grandes ou pequenos, conduziram seu povo à Terra (por Lei) prometida. Nosso Código Penal comete grave erro ao julgar que semelhante nome pertenceu a alguém que “codificou as leis pelas quais os homens ainda se regem”.

Os Mandamentos do Manu (falemos do que teve o nome de Vaivásvata. E “que conduziu a semente da raça atlante para o planalto do Tibete, na formação da raça atual ou ária”, há perto de um milhão de anos) são repetidos, com palavras mais ou menos idênticas, nos códigos de todos Aqueles que O sucederam. E a prova é que os de Moisés são os mesmos do Cristianismo. Ao voltar Ele do Monte Sinai, depois de “haver contemplado a Luz face à face”, seu povo ao ouvi-lo falar de modo diferente, teve ocasião de exclamar: “Man-hu”? (“que significa isto”?)[1]. Não se trata, pois, de alimento físico, como pensam outros, ou “do maná caído do céu”, e sim, “como alimento espiritual”, ou da Sabedoria Divina (ou Teosófica) pela boca do Manu daquela época. Por sua vez, Maná é termo que se confunde com Manu e até com o termo latino, Manus, no sentido de mão, mas, “daquele que vem à frente ou à mão de seu povo”. Manas, Manu, o Homem, tem o significado, em sânscrito, de “mental, inteligência”, etc. Desse termo provém o Man inglês e germânico. E em nosso próprio idioma, o Mem, da palavra Ho-mem. E assim por diante.

O Manu é, portanto, o portador do Verbo Solar. E isso, por ser a sua própria Manifestação na Terra. O termo eon grego, significa: “Manifestação Divina”. Semelhante termo lido anagramaticamente, dá o Noé bíblico, por sua vez, um Manu. E a prova é que conduz sua família (povo ou raça, e não apenas os de seu sangue) para a arca, mas esse termo, muitíssimo mal interpretado, deve ser dedicado ao de Agartha, como região subterrânea. Arca, Barca ou Agartha são termos idênticos. Procurar, pois, vestígios de uma barca de madeira, nos tempos atuais, é prova de ignorância em matéria iniciática. E dizer-se que os próprios cientistas modernos ainda se dedicam a semelhante trabalho…

Por tudo isso e muito mais ainda, a Sociedade Teosófica Brasileira [atual Sociedade Brasileira de Eubiose] fez construir seu Templo dedicado ao avatara cíclico, ao mesmo tempo que à todas as religiões do mundo e, consequentemente, à Fraternidade Universal da Humanidade, no Lugar onde, a bem dizer, o Maná atual conduziu seu Povo, dando-lhe o tradicional nome de Vila Canaã (ou Terra da Promissão). E isto, na estância hidromineral de São Lourenço, no Estado de Minas Gerais. E a cuja estância, com sua “Montanha Sagrada” – pois foi nela onde se deu a espiritual eclosão do Movimento em que a mesma Instituição se acha empenhada -, o grande cientista e teósofo espanhol Dr. Mário Roso de Luna, deu o precioso nome de “capital espiritual do Brasil” [2].

Lorenzo Paolo Domiciani (heterônimo do Professor Henrique José de Souza).

Publicado originalmente em Dhâranâ.

© Sociedade Brasileira de Eubiose ® 

Permitida a reprodução, sem alteração de conteúdo, com citação de fonte, copyright e autor.

Compartilhe este post

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on pinterest
Share on email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Se você não é membro e quer conhecer nosso curso introdutório de Iniciação Peregrino clique no botão abaixo.