Artigos

O que é Eubiose?

Continuando nossos estudos sobre Eubiose, vamos examinar, agora, um assunto de máxima importância para a realização de nossa tarefa de autoconstrução. Trata-se da participação mística.

Continuando nossos estudos sobre Eubiose, vamos examinar, agora, um assunto de máxima importância para a realização de nossa tarefa de autoconstrução. Trata-se da participação mística. O que vem a ser isto? Qual a sua finalidade? Como alcançá-la? Eis o que passaremos a estudar.

Vimos anteriormente que o ser humano é regido por uma Lei Universal, a Lei do Crescimento. Ora, do ponto de vista psíquico e mental, isto significa que devemos passar de um estado de completa inconsciência para um estado de plena consciência. A esta mutação já fizemos referência quando mencionamos a necessidade de transformar Vida Energia em Vida Consciência, pois este é o grande desafio da vida: conquistar a própria Consciência.

O ser humano, antes de nascer, experimenta uma situação de perfeita união com a natureza através de sua ligação com o organismo materno. Em realidade, mãe e filho formam um só corpo. A criança se sente, então, em absoluta segurança e completo conforto. Nada a perturba. Nenhum esforço lhe é exigido. A temperatura é constante e a alimentação é assegurada através do cordão umbilical. Tem assim a criança uma indelével experiência de “participação” íntima com a natureza. Esta situação, entretanto, muda bruscamente, ao nascermos. Toda a “sensação” de segurança, conforto e união desaparece. Passamos a sentir frio ou calor, a ouvir ruídos estranhos que nos ferem os ouvidos, a ver imagens e sombras que passam diante de nós. Temos que respirar, digerir, etc. Enfim, tudo mudou. O ambiente, que era ameno, passa a ser agressivo. Sentimo-nos, então, inseguros.

Esta dura experiência da vida humana está muito bem representada pela alegoria da expulsão do Paraíso. O homem perde o paraíso da inconsciência, da união física com a natureza, mas guarda em sua memória a lembrança de uma vida paradisíaca, segura, tranqüila.

A partir do nascimento, o homem passa a constituir uma unidade destacada, isolada, separada, e, por isso, se sente solitário. Ele passa a experimentar dificuldades, a ter que resolver problemas, a necessitar lutar para sobreviver. Descobre, enfim, que viver é difícil, que dá trabalho, exige esforço. Vê que tudo é inseguro, mutável, impermanente. E isto é angustiante. Para superar a solidão e a angústia, ele procura encontrar novos elementos de ligação com a vida, que lhe restituam a serena segurança perdida. Inúteis são os seus esforços. Cada vez mais ele se sente solitário. Por algum tempo, a vida profissional, social e amorosa preenchem o vazio interior. Mas, cedo ele descobre que estes elementos, embora muito importantes, não resolvem o problema fundamental da existência, qual seja, o de sua reintegração no Todo.

Diante das dificuldades de encontrar a resposta adequada ao problema – por ignorância, por falta de auto-educação – o Homem tenta restabelecer sistemas e situações passados, nos quais experimentou segurança, conforto e tranqüilidade. Ora, a maior experiência desta natureza é, exatamente, aquela vivenciada antes do nascimento, e que ficou impressa no nosso inconsciente. Claro, voltar àquela situação é impossível; surgem, então, as tentativas de um retorno “simbólico” ao passado. Daí, a tendência de nos conduzirmos como “desligados”, “ausentes”, num estado semelhante ao sonambulismo. Daí, também, em parte, a atração pelo álcool, entorpecentes, etc., que nos “tiram do ar”, nos deixam “sonolentos”, inconscientes, etc. Tais atitudes, ao invés de melhorar a situação, agravam-na ainda mais, pois, caminhar para trás, do ponto de vista psicológico, mesmo que, apenas, simbolicamente, é um “equivalente” à morte. Por isso, o inconsciente  reage violentamente a estas tentativas de regressão, através do agravamento da angústia. Tudo isto porque, de acordo com a universal Lei do Crescimento, ao homem compete crescer, evoluir, e nunca retroceder, regredir. Portanto, a angústia é um grito de alerta da vida, que deseja continuar a viver. A função da angústia é, precisamente, a de nos informar que algo em nossas vidas não está de acordo com a Lei Universal.

Neste ponto, convém fazer uma referência especial a dois princípios psicológicos, da maior importância, e cujo conhecimento é fundamental para reconstruirmos nossa ligação com a Natureza Mater. Eles podem ser enunciados da seguinte forma:

I – todos os grandes problemas são, por definição, insolúveis; só são superáveis;

II – o Inconsciente não tem senso de humor, de modo que os “atos simbólicos” são, para ele, equivalentes aos atos reais.

O primeiro princípio enuncia um fato que decorre da experiência humana através dos tempos e nos indica que o meio adequado para lidar com problemas de grande porte é a superação. Devemos, entretanto, entender como “grandes problemas” aqueles de ordem fundamental da existência. Assim, a problemática não será grande porque eu a considere como tal, mas por envolver os fundamentos da própria vida.

Já vimos que nós tendemos a tentar reconstituir nossa unidade com o Todo através dos processos regressivos. Isto decorre da existência em nós daquele mesmo princípio que, na Física, é conhecido como inércia. Ora, a inércia se define como a tendência dos corpos a permanecerem na situação em que se encontram, isto é, parados ou em movimento retilíneo uniforme. Para que se modifique este estado, necessário se faz aplicar-se uma força, ou seja, realizar-se um trabalho. Do ponto de vista psicológico, a inércia se expressa por uma atitude passiva, de acomodação ou inação. Representa a tendência a não realizar esforços para evoluir. O esforço representa um dispêndio de energias, trabalho, desconforto. Significa atividade, positividade. A inércia, entretanto, nos leva a abandonar o comando de nossa própria vida. Ora, essa renúncia é incompatível com o movimento evolucional, com o crescimento. Por isso, nos sentimos culpados e angustiados. No Universo tudo é evolução; o que não está evoluindo, está em processo de autodestruição. Assim sendo, já podemos tirar duas importantes conclusões:

a) a reconstrução dos laços que nos une à Natureza é uma tarefa imprescindível para quem almeja alcançar a Realização. Esta nova ligação é que nos permitirá romper o “cordão umbilical” psicológico” (”laços familiares”, na sua acepção negativa) que nos impede de progredir no sentido de formarmos uma unidade destacada, definida, caracterizada pela autenticidade. Este é um acontecimento decisivo na vida do ser humano. É o momento da diferenciação. Eu me torno uma realidade particular, única, e não mais uma expressão grupal, indiferenciada. Nas tradições indianas, encontramos nos exercícios do yoga (União) uma forma de atingir esta integração com o Universo. É, precisamente, a este estado superior de ser que denominamos de “Participação Mística”. O Homem se infunde na Realidade Universal. Passa a ser uma parte ativa no Cosmo. Cessa, com isso, a sua solidão, o seu sentimento de desvalia.

b) Este novo estado de unidade não pode ser alcançado senão através da Consciência Interna. Qualquer tentativa de retorno a situações ultrapassadas é repelida pelo Inconsciente, por significar “regressão”. Como já vimos, o que caracteriza o homem é ser o portador de manas, do Mental, da Inteligência. Assim, necessariamente, sua religação ao Universo se realizará através da Consciência. Não se trata, portanto, de reconstituir o elo quebrado (o cordão umbilical), mas de estabelecer novos laços de união, num nível superior, elevado, isto é, através do si mesmo, do Eu Interior. Isto é simbolizado, em algumas tradições, como o retorno à “Casa do Pai”. Representa, em realidade, um renascimento, ou um segundo nascimento. Daí dizer-se que os Iluminados são seres duas vezes nascidos. Ora, para renascermos, temos que volver ao seio materno. Mas, certamente, não se trata aqui de uma regressão, de um retorno à nossa mãe física, já que sua nobre missão se define, praticamente, ao nos proporcionar o nascimento físico, o primeiro nascimento. A função de gerar o nosso Ser transcendente, espiritual, pertence à mãe universal, àMagna Mater. Por isso, quando afirmamos ser necessário volvermos, ao seio materno, está implícito que nos referimos ao seio de ÍsisDeméter, a Grande Mãe do Universo. Isto não constitui regressão. Significa dar curso normal à evolução, pois todo Homem deve nascer pela segunda vez, quando então, ele se desliga definitivamente de Maya, a Grande Ilusão.

Daí podermos já compreender o que a moderna Psicologia denomina de “Complexo de Édipo”. Em seu sentido amplo, corresponde à necessidade de que cada homem tem de volver a nascer; de reconquistar o Paraíso perdido. Isto é percebido intuitivamente. Esta reconquista corresponde ao despertar do seu Eu  Espiritual, do si mesmo.  Assim, de acordo com esta ampla conceituação, todos nós somos Édipos, ou Peregrinos da Vida, em busca das necessárias experiências propiciatórias à nossa evolução. No seu sentido restrito, ou patológico, é que o Complexo de Édipo é sinônimo de regressão e constitui, então, uma resposta doentia a um impulso que, na sua origem, é perfeitamente sadio e natural. Volver às origens, eis a questão. Portanto, o Complexo de Édipo só constitui problemática de característica patológica, no momento em que o homem, por ignorância, se mostra incapaz de identificar sua verdadeira natureza e realiza, por isso, “atos simbólicos” de significação regressiva.

Assim, o retorno às origens é um dos grandes problemas da humanidade. É o caminho natural do processo evolutivo. É necessário esclarecer, entretanto, que tal retorno se refere à “linha de origem” e não ao “ponto de partida”. Este movimento fica bem representado pela espiral. O círculo, no caso, indicaria um movimento regressivo, não evolutivo, portanto. O homem tem que volver à origem num plano mais alto e de forma consciente. Aí ele nascerá de novo. Esta plano superior é o Plano da Divina Mãe, o Segundo Trono. Isto equivale à superação do Complexo de Édipo.

O segundo princípio trata dos “atos simbólicos”. A linguagem do Inconsciente, como sabemos, é osímbolo. Tudo o que alcança o níveis do Inconsciente lá chega já devidamente traduzido em símbolos. Isto é fácil de se compreender; nós não podemos incorporar  ao nosso Inconsciente os fatos objetivos, mas apenas os símbolos que lhes correspondem. Assim, é possível, através de atos simbólicos, simular experiências que, do ponto de vista prático, equivalem a experiências reais. Esta possibilidade é de grande valor na reeducação do discípulo. Por isso mesmo é que a utilizaremos amplamente dentro do processo iniciático. O Templo Eubiótico, por exemplo, é construído dentro das medidas canônicas. Esta fato pode não ser do conhecimento do visitante, mas é percebido pelo seu Inconsciente. Daí o extraordinário valor dos símbolos. O Templo reproduz, pela simbologia, os valores do Segundo Trono, do Plano Arquetipal Cósmico. Por isso, a função templária (a exposição aos símbolos templários) é essencial à transmutação das naturezas física e psíquica do homem. Realiza a elevação de sua tônica vibratória. O discípulo tem, então, uma participação de natureza mística no Plano da Criatividade Cósmica. Prepara-se, desta forma, o desabrochar da Consciência Interna, no seio da Divina Mãe. É a metástase avatárica.

Assim, a Eubiose é, também, Participação Mística, a forma superior de relacionamento do homem com o Universo. É uma participação consciente e positiva na história da evolução da mônadahumana. A função de uma Escola Iniciática como a Sociedade Brasileira de Eubiose é, exatamente, a de preparar seres conscientes e, portanto, independentes; capazes de se autogovernarem. Pela Iniciação, conquista-se a Individualização, Jiva funde-se em Jivatmã. Em Jivatmã as contradições dialéticas se anulam. A polaridade interna ali encontra o seu ponto de equilíbrio, de perfeita neutralidade. O Homem passa a expressar, então, os atributos superiores do Logos Criador:vontadeamor-sabedoria e atividade.

O Si Mesmo (Jivatmã) é, por isso, chamado o arquétipo de deus. É o plano mais profundo e mais complexo da Personalidade. É o centro da Psique, da Personalidade total, ilimitada e indefinível. Constitui a meta suprema do Homem Total, de natureza enigmática. “A grandeza do Homem reside no construir-se a si mesmo”. Por sermos seres inacabados, podemos, então, participar de nossa própria criação. A esta transcendental realização é que os Alquimistas denominavam de “A Grande Obra“.

Ao percorrer o Caminho Iniciático, o ego (Jiva) confronta-se com as formas arquetipais do Inconsciente Coletivo (egrégoras). Tal realização significa, simultaneamente, aquisição de experiências e ampliação da consciência. Adquire-se, assim, uma nova “dimensão” da realidade existencial. O conhecimento dos Arquétipos representa a agregação das forças internas ao ego, o que redunda no seu “fortalecimento”. Desaparece, em conseqüência, o aspecto unilateral da existência. Os acontecimentos objetivos passam, então, a serem referidos em função dos eventos subjetivos que lhe deram causa. É o prenúncio da visão sintética do mundo!

espiral-3 copy

 José Carlos Arnizaut Simões. Publicado originalmente na revista Aquarius, sob o título de “Eubiose” (parte 3/5).

© Sociedade Brasileira de Eubiose

Pensamentos

"O verdadeiro homem é aquele que não fica radicado nas mesmas idéias." Henrique José de Souza
"Não se ensina ou inicia alguém começando pelo fim, e sim, como este nome o diz, pelo começo." Henrique José de Souza
"Muitas das leis da Natureza são tão simples que a maioria das criaturas não lhes dá a menor atenção." Henrique José de Souza
"Grande é aquele que deseja instruir-se; maior o que se instrui; porém muito maior, o que oferece seus conhecimentos aos demais." Henrique José de Souza
"Eubiose é a ciência da integração do homem com o todo como fator equilibrante." Henrique José de Souza
"A verdadeira força não é a do mar em fúria, que tudo destrói, mas do rochedo, impassível, que a tudo resiste." Henrique José de Souza
"A humanidade é infeliz por ter feito do trabalho um sacrifício e do amor um pecado." Henrique José de Souza
"Nos números, nos sons e nas cores estão contidos todos os mistérios da manifestação." Henrique José de Souza
"Reconstruir é o brado que nos compete! Sim, reconstruir o homem, o pensamento, a moral, os costumes; reconstruir o lar, a escola, o caráter, para que o cérebro se transmude ao lado do coração. Só assim a Humanidade se tornará digna do estado de consciência que é exigido pela Nova Civilização." Henrique José de Souza
"Eubiose é a ciência da vida. E, como tal, é aquela que ensina os meios de se viver em harmonia com as Leis da Natureza e, consequentemente, com as Leis Universais, das quais as primeiras se derivam. Henrique José de Souza
"O verdadeiro amor jamais se cansa de espalhar o bem onde quer que ele se faça necessário." Henrique José de Souza
"Um verdadeiro iniciado nos grandes mistérios da vida não interpreta as coisas através da letra que mata, e sim, do espírito que vivifica." Henrique José de Souza
"Um livro tanto pode ser um poderoso auxiliar como um formidável destruidor de tua mente: tem cuidado na sua escolha."   Henrique José de Souza
" A crítica, quando despojada de seus aspectos negativos, torna-se a mais poderosa tribuna do aperfeiçoamento." Henrique José de Souza
"Spes messis in semine: A esperança da colheita reside na semente(Lema da Sociedade Brasileira de Eubiose)". Henrique Jose de Souza
"A evolução humana jamais se faria se o Verbo se manifestasse proferindo sempre as mesmas palavras." Henrique José de Souza
"A malícia é a criadora da censura." Henrique José de Souza
"A verdade não seria reconhecida se não existisse a mentira, nem o amor sem a manifestação do ódio." Henrique José de Souza  
"É dever do discípulo, por amor e respeito ao próprio Mestre, possuir a maior vigilância dos sentidos para não fazer sofrer aquele que lhe serve de guia na espinhosa vereda da iniciação." Henrique José de Souza
"O ritmo é ordem, e somente pela ordem tudo se pode alcançar." Henrique José de Souza
"Escola, Teatro e Templo. Eis a trilogia iniciática." Henrique José de Souza
"O homem trazem si mesmo o dínamo gerador de suas dores e alegrias: a mente." Henrique José de Souza
"Toda profissão é sacerdócio ou comércio, segundo seja exercida pelo altruísmo ou pelo egoísmo."   Henrique José de Souza
"Vontade, Inteligência e Amor. Para a Eubiose, a harmonia destes três princípios é a base da evolução." Henrique José de Souza
"A aquisição da Verdade é o mais alto dos ideais humanos." Henrique José de Souza

Agenda

Ver todo o calendário completo

Departamentos Próximos

Como participar

Escola-Teatro-Templo. O trinômio representa, em toda a sua síntese, a didática e processo de iniciação eubióticos. Aprender Eubiose é conhecer, vivenciar e vivificar.

Continua