Artigos

Ciência da Vida

Eubiose é a Ciência da Vida. E como tal, é aquela que ensina os meios de se viver em harmonia com as leis da Natureza, e consequentemente, com as leis universais, das quais as primeiras se derivam.

Que é Eubiose?

 

 

 

 

 

Por Lorenzo Paolo Domiciani(*)

Para definir o que é Eubiose mister se faz – em primeiro lugar – preparar o espírito de nosso leitor; através da teoria, a fim de que o mesmo, acompanhando capítulo por capítulo de semelhante trabalho, possa, finalmente alcançar a parte prática. Do mesmo modo que o viajante, irá ele marchando de etapa em etapa, a descobrir novas regiões, novas pessoas, novos amigos, coisas, enfim, que lhe não eram conhecidas. E, assim, ao chegar à meta final de semelhante jornada estará de posse de um cabedal maior do que anteriormente possuía. Mas tudo isso à custa de “seus próprios esforços”, ou de acordo com a sentença cristã do “Fazei por ti, que Eu te ajudarei”. Nesse caso, o autor do trabalho não será mais do que um guia desconhecido, que, de longe aponta o caminho a ser percorrido, mas contente e feliz por lhe terem ajudado, também, “a dar de graça o que de graça recebeu” no decorrer das suas várias existências…

E é assim que, neste primeiro capítulo, o leitor conhecerá, em síntese, o que é Eubiose. E de que maneira é Ela aplicada de acordo com a Evolução espiritual da Humanidade. Eubiose é a Ciência da Vida. E como tal, é aquela que ensina os meios de se viver em harmonia com as leis da Natureza, e consequentemente, com as leis universais, das quais as primeiras se derivam. Pelo que se vê, nenhuma diferença existe entre Eubiose e Teosofia, porque esta, como Ciência ou Sabedoria Divina, se propõe a mesma coisa, como “Tronco donde se originam as Ciências, religiões, filosofias, línguas e tudo mais quanto já existe e há de existir no mundo”. Desse modo, não apenas os “Adeptos da Boa Lei”, mas também, todos os Iluminados que a este mundo vieram, pautaram a sua vida eubiótica ou teosoficamente, ensinando aos demais a que agissem do mesmo modo. E isto, de acordo com a evolução natural da época dos seus vários aparecimentos.

Desse modo, a Sociedade Teosófica Brasileira [atual Sociedade Brasileira de Eubiose] não podia deixar de se servir de semelhante Ciência, como ativa participante do movimento cultural-espiritualista. E isto, já se vê, em amplitude muito maior do que tudo e todos que A antecederam, pois que, a evolução caminha sempre para diante. E muito mais, em pleno interregno de um ciclo para outro, como prova o seu próprio lema: spes messis in semine, isto é, “a esperança da colheita reside na semente”.

Tais momentos ou ciclos foram apontados, por exemplo, pelo Bem-aventurado Krishna (que viveu 3,5 mil anos antes de Cristo), quando promete ao seu discípulo Arjuna (vide Bhagavad-Gîtâ) :

Todas as vezes, ó filho de Bharata! que Dharma (a lei justa) declina (como está acontecendo agora) e Adharma (o contrário) se levanta, Eu me manifesto para salvação dos bons e destruição dos maus. Para restabelecimento da Lei Eu nasço em cada Yuga (idade ou ciclo).

Jesus, também prometeu a sua volta (pois que a Essência é sempre a mesma, “como avatara da própria Divindade”), do seguinte modo:

Quando ouvirdes rumores de guerra, não vos assusteis, porque é preciso que tudo isso aconteça. Levantar-se-á nação contra nação, reino contra reino. E haverá fome, peste e terremotos em vários lugares; mas todas essas coisas são apenas o começo das dores. E depois da aflição daqueles dias, aparecerá no céu, o sinal do Filho do Homem.

As tradições, tanto do Oriente como do Ocidente, estão repletas de semelhantes “promessas”. Os ciclos, as idades se passaram, e jamais elas deixaram de ser cumpridas. Estamos na véspera da “Manifestação do avatara sob o signo de Aquário”. O de Jesus foi o de Piscis. E isto se pode constatar com a passagem da “mulher adúltera”, quando lhe foi apresentada, traçar Ele no solo, um Peixe. E não a errônea interpretação de que “era Ele pescador”, a menos que o fosse “de almas”. Gotama o foi, por sua vez, de gado.

Nesse caso, “pastor”, ou seja outro termo que se aplica aos “condutores de almas”. O próprio termo Go ou Gau-Tama, significa: “vaqueiro, condutor de gado”, etc. Todos os Manus, por sua vez, grandes ou pequenos, conduziram seu povo à Terra (por Lei) prometida. Nosso Código Penal comete grave erro ao julgar que semelhante nome pertenceu a alguém que “codificou as leis pelas quais os homens ainda se regem”.

Os Mandamentos do Manu (falemos do que teve o nome de Vaivásvata. E “que conduziu a semente da raça atlante para o planalto do Tibete, na formação da raça atual ou ária”, há perto de um milhão de anos) são repetidos, com palavras mais ou menos idênticas, nos códigos de todos Aqueles que O sucederam. E a prova é que os de Moisés são os mesmos do Cristianismo. Ao voltar Ele do Monte Sinai, depois de “haver contemplado a Luz face à face”, seu povo ao ouvi-lo falar de modo diferente, teve ocasião de exclamar: “Man-hu”? (“que significa isto”?)[1]. Não se trata, pois, de alimento físico, como pensam outros, ou “do maná caído do céu”, e sim, “como alimento espiritual”, ou da Sabedoria Divina (ou Teosófica) pela boca do Manu daquela época. Por sua vez, Maná é termo que se confunde com Manu e até com o termo latino, Manus, no sentido de mão, mas, “daquele que vem à frente ou à mão de seu povo”. Manas, Manu, o Homem, tem o significado, em sânscrito, de “mental, inteligência”, etc. Desse termo provém o Man inglês e germânico. E em nosso próprio idioma, o Mem, da palavra Ho-mem. E assim por diante.

O Manu é, portanto, o portador do Verbo Solar. E isso, por ser a sua própria Manifestação na Terra. O termo eon grego, significa: “Manifestação Divina”. Semelhante termo lido anagramaticamente, dá o Noé bíblico, por sua vez, um Manu. E a prova é que conduz sua família (povo ou raça, e não apenas os de seu sangue) para a arca, mas esse termo, muitíssimo mal interpretado, deve ser dedicado ao de Agartha, como região subterrânea. Arca, Barca ou Agartha são termos idênticos. Procurar, pois, vestígios de uma barca de madeira, nos tempos atuais, é prova de ignorância em matéria iniciática. E dizer-se que os próprios cientistas modernos ainda se dedicam a semelhante trabalho…

Por tudo isso e muito mais ainda, a Sociedade Teosófica Brasileira [atual Sociedade Brasileira de Eubiose] fez construir seu Templo dedicado ao avatara cíclico, ao mesmo tempo que à todas as religiões do mundo e, consequentemente, à Fraternidade Universal da Humanidade, no Lugar onde, a bem dizer, o Maná atual conduziu seu Povo, dando-lhe o tradicional nome de Vila Canaã (ou Terra da Promissão). E isto, na estância hidromineral de São Lourenço, no Estado de Minas Gerais. E a cuja estância, com sua “Montanha Sagrada” – pois foi nela onde se deu a espiritual eclosão do Movimento em que a mesma Instituição se acha empenhada -, o grande cientista e teósofo espanhol Dr. Mário Roso de Luna, deu o precioso nome de “capital espiritual do Brasil” [2].

 

Lorenzo Paolo Domiciani (heterônimo do Professor Henrique José de Souza).

 

Publicado originalmente em Dhâranâ.

© Sociedade Brasileira de Eubiose ® 

Permitida a reprodução, sem alteração de onteúdo, com citação de fonte, copyright e autor.

 

 



[1] O povo hebreu, na sua expressão Man Hu, como foi dito no texto, referia-se ao Maná ou Manas (sânscrito), como “Sabedoria Divina ou Teosofia”, Iluminação, Conhecimento Perfeito, etc. A mesma Igreja – que Interpreta mal o verdadeiro sentido, no entanto, tem ocasião de dizer: “Quod cum vidissent filii Israel, disserunt ad lnvicem: Man hu? quod significat: Quod est hoc? (que vem a ser isto?) ignorabant enin quid esset. Appelavit domus Israel ejus Man”. No Êxodo (C. XVI, V .31) encontra-se: “E a casa (povo, família, etc.) de Israel, depois que se alimentou com o Maná (Inteligência, Sabedoria Divina, etc.), chamou-se Man equivalente à semente de Mostarda ou “cilantro branco”, e seu sabor, é igual ao da flor de farinha e mel (esse mesmo mel, que é o da ambrosia dos deuses, o néctar delicioso “provindo do Céu ou desses mesmos “Deuses”). Esse “cilantro branco”, é o mesmo “fruto do pensamento, a que se alude em diversas parábolas de Jesus (Mateus, c. XIII; Marcos c. IV; Lucas XIII). No dizer dos Upanishads, “assim como o grão de sal desaparece dissolvendo-se na água, que deixa salgada, assim também, o Grande Todo – Pensamento Divino ou Mente Cósmica – na plenitude do Conhecimento, desaparece e se funde em todos os seres, deixando, como vestígio da sua Manifestação, a mente concreta”, que passa a constituir, em cada um “o cilantro branco”, o grão de mostarda, a Ideia individual em luta para se tornar coletiva e encher o mundo, tal como faria qualquer semente, livre de manifestar suas propriedades de expansão. Outra não foi a razão da Sociedade Teosófica Brasileira escolher por lema oSpes Messis In Semine, pois, como foi dito no texto, tem por significado: “A esperança da colheita reside na semente”. Nesse caso, a Semente da Nova Civilização para a qual a mesma trabalha. N.A.

 [2] O querido e bondoso “médium Chico Xavier” – que mais o apreciamos como teosofista incipiente, do que propriamente “médium espírita”, (ele mesmo afirma “que não tem certeza se são dele ou dos espíritos, as mensagens que recebe”), diz ter recebido, de Humberto de Campos, uma delas que foi publicada em jornais espiritas, e onde o mesmo escritor patrício “desencarnado”, anuncia “a vinda do avatara no ano 2.000, numa estância de águas minerais, com o nome de um santo da Igreja e num Estado central”. Humberto de Campos, se foi ele mesmo quem deu semelhante Mensagem, devia ter sido mais sincero, porque, há longos 31 anos não temos feito outra coisa, senão, trabalhar nesse sentido. Como foi dito no texto, é aí onde fizemos erigir um Templo que é visitado todos os domingos por vultoso número de pessoas.

Para as nossas festividades de 24 de Fevereiro de cada ano, afluem para a estância de S. Lourenço, membros das fileiras da STB [atual SBE] vindos de toda parte do Brasil. Os hotéis se enchem de turistas. Em resumo, a referida estância – em tal época – se torna verdadeiro lugar de peregrinação, mas onde reina a Paz e a Alegria, como preciosas relíquias daqueles que possuem uma consciência voltada para as coisas do Espirito. N.A.

Pensamentos

"O verdadeiro amor jamais se cansa de espalhar o bem onde quer que ele se faça necessário." Henrique José de Souza
"O verdadeiro homem é aquele que não fica radicado nas mesmas idéias." Henrique José de Souza
"Muitas das leis da Natureza são tão simples que a maioria das criaturas não lhes dá a menor atenção." Henrique José de Souza
"A verdade não seria reconhecida se não existisse a mentira, nem o amor sem a manifestação do ódio." Henrique José de Souza  
"Spes messis in semine: A esperança da colheita reside na semente(Lema da Sociedade Brasileira de Eubiose)". Henrique Jose de Souza
"A evolução humana jamais se faria se o Verbo se manifestasse proferindo sempre as mesmas palavras." Henrique José de Souza
"Toda profissão é sacerdócio ou comércio, segundo seja exercida pelo altruísmo ou pelo egoísmo."   Henrique José de Souza
"A verdadeira força não é a do mar em fúria, que tudo destrói, mas do rochedo, impassível, que a tudo resiste." Henrique José de Souza
"Escola, Teatro e Templo. Eis a trilogia iniciática." Henrique José de Souza
"Vontade, Inteligência e Amor. Para a Eubiose, a harmonia destes três princípios é a base da evolução." Henrique José de Souza
"É dever do discípulo, por amor e respeito ao próprio Mestre, possuir a maior vigilância dos sentidos para não fazer sofrer aquele que lhe serve de guia na espinhosa vereda da iniciação." Henrique José de Souza
"Reconstruir é o brado que nos compete! Sim, reconstruir o homem, o pensamento, a moral, os costumes; reconstruir o lar, a escola, o caráter, para que o cérebro se transmude ao lado do coração. Só assim a Humanidade se tornará digna do estado de consciência que é exigido pela Nova Civilização." Henrique José de Souza
"A malícia é a criadora da censura." Henrique José de Souza
"O ritmo é ordem, e somente pela ordem tudo se pode alcançar." Henrique José de Souza
"A aquisição da Verdade é o mais alto dos ideais humanos." Henrique José de Souza
"Eubiose é a ciência da integração do homem com o todo como fator equilibrante." Henrique José de Souza
"Eubiose é a ciência da vida. E, como tal, é aquela que ensina os meios de se viver em harmonia com as Leis da Natureza e, consequentemente, com as Leis Universais, das quais as primeiras se derivam. Henrique José de Souza
"Não se ensina ou inicia alguém começando pelo fim, e sim, como este nome o diz, pelo começo." Henrique José de Souza
"Um verdadeiro iniciado nos grandes mistérios da vida não interpreta as coisas através da letra que mata, e sim, do espírito que vivifica." Henrique José de Souza
"O homem trazem si mesmo o dínamo gerador de suas dores e alegrias: a mente." Henrique José de Souza
"A humanidade é infeliz por ter feito do trabalho um sacrifício e do amor um pecado." Henrique José de Souza
" A crítica, quando despojada de seus aspectos negativos, torna-se a mais poderosa tribuna do aperfeiçoamento." Henrique José de Souza
"Nos números, nos sons e nas cores estão contidos todos os mistérios da manifestação." Henrique José de Souza
"Grande é aquele que deseja instruir-se; maior o que se instrui; porém muito maior, o que oferece seus conhecimentos aos demais." Henrique José de Souza
"Um livro tanto pode ser um poderoso auxiliar como um formidável destruidor de tua mente: tem cuidado na sua escolha."   Henrique José de Souza

Agenda

Ver todo o calendário completo

Departamentos Próximos

Como participar

Escola-Teatro-Templo. O trinômio representa, em toda a sua síntese, a didática e processo de iniciação eubióticos. Aprender Eubiose é conhecer, vivenciar e vivificar.

Continua